2016

2016

11 maio 2013

Ken Follett

não foi certamente por ser um dos autores da moda que comecei por lê-lo. nem pelos épicos (género literário que não me atrai nada), tão badalados nos últimos tempos.
foi mais por curiosidade, já que, aliciada pela minha irmã, comecei a ler thrillers e policiais e Ken Follett é um nome que se impõe. 
entrei no maravilhoso mundo-Follett através de "Uma Fortuna Perigosa". li-o em pouco menos de uma semana, aproveitando todas as pausas, todas as viagens de transportes públicos, todos os momentos antes de adormecer. devorei o livro, mais uma vez por se tratar de uma história de época, ingrediente principal e meio caminho andado para eu adorar um livro/filme/série. mas o livro vale por muito mais do que isso: a escrita é simples, sem presunções, as personagens cheias de caráter, as descrições reais sem serem exaustivas, o estilo descontraído, mesmo tendo um fio condutor que atravessa o século XIX, com todas as suas formalidades.


segue-se "Nome de Código Leoparda", que conta a história de um grupo de mulheres, agentes secretas enviadas para França pelo executivo de operações especiais, durante a II Guerra Mundial. romance histórico? thriller? a mim basta-me que se baseie em factos reais, que se situe neste período histórico em particular, que revele a ação de um grupo de mulheres da Resistência francesa. ingredientes reunidos, vamos a isso.


1 comentário:

Polliejean disse...

Andava à procura de um bom policial para ler nas férias. Nunca li Ken Follett porque sempre me soou muito a espionagem e jogos políticos (gosto mais daqueles de assassinos e detectives), mas agora que deste a dica vou pesquisar o senhor :)