2016

2016

24 novembro 2013

Trate a vida por tu

se não fosse a Sofia a sugerir, a propósito do workshop Life Change, jamais compraria este livro. nem sequer passo na secção onde geralmente este tipo de leitura se vende. vou quase semanalmente a uma livraria e deambulo muito na zona dos romances, dos policiais, dos livros sobre comunicação, dos livros de receitas e de viagens... mas estes, que vulgarmente definiria como auto-ajuda, nunca. tenho sempre aquela ideia pré-concebida [ou será mesmo preconceito?] que estes tipos são todos uns charlatães a tentarem vender-nos a vida que sonhamos ter, mas que nem todos podemos alcançar. como diz um amigo meu, o que seria do mundo se todas as pessoas se pusessem a ler livros de auto-ajuda e, de repente, decidissem seguir os seus conselhos? estaríamos todos ricos e a fazer somente aquilo que gostamos? o mundo seria um lugar muito mais equilibrado e feliz? não creio. até porque a vontade e a pré-disposição para evoluirmos tem que partir de nós próprios.
comecei ontem de manhã a ler "Trate a vida por tu" e fiquei imediatamente agarrada, mas naquele sentido céptico de deixa-cá-ver-onde-é-que-isto-vai-parar. li umas quantas páginas, mais pela curiosidade do que pela vontade de ser convencida através daqueles argumentos. o primeiro capítulo já lá vai, com alguns clichés e uma série de verdades, que não temos mais presentes no nosso dia a dia porque tendemos a esquecer o óbvio e a complicar aquilo que é simples. 
não nego à partida uma ciência que desconheço, por isso vou dar oportunidade ao autor de me provar que estou errada. :)

4 comentários:

Conchita disse...

Estou curiosa para ouvir a tua opinião !

Enjoy the Ride disse...

eu própria também :) ainda a digerir a informação.

Milk Woman disse...

Humm... Também quero saber! Já vi esse livro algumas vezes, mas como conheço o estilo do autor - aquela onda muito americanoide do "you can do it, go for it!", não me convenceu muito. Mas diz lá de tua justiça a ver se me convences!

Enjoy the Ride disse...

também ainda não estou convencida, confesso. mas à medida que a leitura corre, tenho esperança de vir a ficar. :)
quando terminar, terá direito a post.