2016

2016

15 fevereiro 2014

mixed feelings

gosto de pensar nas semanas com princípio, meio e fim. normalmente chego à sexta feira e faço o balanço provisório de tudo o que de bom e menos bom aconteceu, para depois acrescentar o fim de semana. 
esta sexta feira não é excepção. a semana foi uma espécie de montanha russa emocional, com dois momentos tão terríveis, mas que inevitavelmente fazem parte da vida. não sei bem como lidar com a morte, tenho uma relação estranha com tudo o que se relaciona com ela, evito falar sobre o tema, como se ao não verbalizar ela não acontecesse. que ilusão. agora estou a tentar perceber como apoiar a minha irmã, abalada por dois momentos tão duros, um seguido de outro. estava ainda a tentar digerir tudo isto, quando uma amiga me liga a chorar e a dizer que acha que não tem lugar neste mundo. ouvi-a, tranquilizei-a e a seguir revoltei-me sozinha, porque ninguém devia ter o direito de o pensar, muito menos dizer. os problemas, amorosos no caso, têm sempre uma ou mais soluções. sofremos horrores? sim. por vezes o chão foge-nos debaixo dos pés? é inquestionável. mas é preciso procurar a tranquilidade que nos falta nos momentos em que estamos de cabeça quente. e depois então relativizar, ponderar, decidir. sobretudo não deixar que nos subjuguem, que nos façam acreditar que o que quer que façamos (ou não) está sempre errado. o amor não é isso, é exatamente o contrário: é incentivo, compreensão, amizade, intimidade, cumplicidade. é um gostar que ocupa a alma inteira, o coração todo, os dias completos, as noites sem fim. nada que não se resolva, torço eu para que assim seja.
depois as coisas boas, tantas coisas boas. pessoas que me transmitem a paz e a energia positiva de que me tenho tentado rodear nos últimos tempos. almoço de amigos a meio da semana, conversas boas, uma serenidade que há muito não sentia, projetos e ideias que surgem no horizonte. e hoje, uma prenda inesperada de uma pessoa que acabava de conhecer: chama-se Ana Aragão, tem 29 anos, é do Porto, é arquiteta e uma talentosa ilustradora. é também a simpatia e a doçura em pessoa. cruzámo-nos profissionalmente e ela fez esta ilustração a pensar também em mim. o meu trabalho tem dias muito chatos... até vir um, como hoje, que compensa tudo o resto. a minha semana encerrou com um bom dia.


se quiserem saber mais, é só ir aqui e aqui

3 comentários:

Conchita disse...

nunca estamos preparados para as pedras que surgem no nosso caminho. Espero q consigas encontrar a tranquilidade e a energia boa para puderes ajudar quem precisa se ti <3 e obrigada pelas tuas inspirações e partilhas ( adorei conhecer a Ana ) beijinho

Enjoy the Ride disse...

obrigada eu, Conchita. :) é tão bom sentir a boa energia de quem me lê.
beijinho

Conchita disse...

;)**