2016

2016

24 julho 2014

Before midnight

li tanto sobre este filme, que já tinha algumas expectativas e preconceitos em relação a ele. Celine e Jessie são apanhados na crise dos 40, em que os filhos e a rotina são necessariamente elementos de peso na quebra do romantismo. para quem, como eu, acompanhou os dois filmes anteriores, tão cheios de paixão e uma crença inabalável no amor, tive algum receio de ver este. nunca vivi com ninguém a longo prazo e assusta-me este caminho quase inevitável que todas as relações amorosas parecem tomar. acho que a minha geração está formatada para viver o melhor das relações enquanto elas durarem [que seja eterno enquanto dure], mas com a convicção de que há um fim anunciado, só não se sabe bem quando. viver à espera desse momento é angustiante [been there, done that] e acredito que faz com que se perca muito pelo caminho. 
voltando ao filme, a primeira metade caminha para um reencontro entre duas pessoas que efetivamente se amam. há um momento, em que ficam os dois sozinhos, caminhando ao longo das ruas gregas, que é quase perfeito, como uma redescoberta do que é estarem apenas, conversarem, sentirem-se um ao outro. pensei nesse momento que as críticas que lera não podiam estar certas, provavelmente era um outro filme. mas não: há aquele instante em que tudo muda. e creio que não haverá mulher nenhuma que, ao ver este filme, não se identifique numa frase ou numa atitude do lado mais neurótico de Celine. porque nós, mulheres, temos momentos assim, de insegurança e instabilidade, que se revelam pelas mais variadas razões. e é muito bonito de ver [algumas de nós identificarão instantes das nossas vidas em que certamente aconteceu o mesmo] a naturalidade com que Jessie reage, tentando contrariar aqueles acessos de fúria, provando que quem ama resiste, insiste, persiste e não desiste. tudo resumido assim: "I accept the whole package, the crazy and the brilliant. I know you're not gonna change and I don't want you to. It's called accepting you for being you". 


2 comentários:

koklikô disse...

Opá gosto tanto destes dois! Adorei os dois primeiros filmes, este fiquei assim sem saber muito bem se tinha gostado ou não mas sem dúvida que abordam de forma muito real os problemas que a maioria dos casais passam após alguns anos de casamento.
Portanto sim, venha mais outro!

Enjoy the Ride disse...

este deixa um sabor agridoce, sobretudo para quem ainda não passou pela experiência da vida a dois. mas acho que também deixa a porta encostada para sonhar. :)