2016

2016

08 março 2016

nunca se é magra demais?

é curiosa esta coisa que nós, mulheres, temos: dizemos que não precisamos da validação dos outros - ou das outras, sobretudo -, mas só nos sentimos magras/bonitas/inteligentes/novas/arranjadas [riscar o que não interessa] se uma outra mulher que respeitamos e consideramos nos elogiar. 
tenho um metro e setenta e, durante anos, pesei 57 kg. apesar de ser muito regrada a comer, e acreditar que a estabilidade do meu peso assenta sobretudo nisso, sei que a genética também me favoreceu - embora ache que isso não será assim a vida inteira. sou a chamada falsa magra.

de há uns meses para cá, talvez mais de um ano, sem ter feito nada para que isso acontecesse, perdi peso e tenho-me mantido nos 54 kg. não faço desporto de forma regular, mas também faço muito poucas asneiras alimentares. ultrapassado o período em que isso foi uma preocupação, acabei por perceber que pode ter contribuído o facto de ter deixado de tomar a pílula, que, além de ter eliminado alguns problemas, provavelmente teve também esse efeito. 
mas, como todas as mulheres, tenho dias em que não gosto do que vejo ao espelho. há sempre algumas coisas que mudava, se pudesse. e sei que todas se resolvem de forma simples: deixando a preguiça de lado e treinando regularmente.
toda esta conversa para chegar aqui: hoje, por acaso, encontrei uma das mulheres mais bonitas e mais luminosas que conheço, que irradia simpatia e tem, aos 40 e poucos, e depois de dois filhos, o corpo que eu nunca tive aos 20. assim que me viu, disse-me que estou muito magra; como de resto tenho ouvido vezes sem conta ao longo dos últimos meses (se as pessoas tivessem razão, por esta altura eu já teria desaparecido). mas, quando vem de alguém que admiramos, sobretudo de uma mulher linda e com um corpo maravilhoso, é assim um daqueles elogios impossíveis de ignorar. 
se é verdade que o nosso foco e os nossos objetivos devem ser definidos em função de nós próprias e do nosso bem estar, também o é - e quem disser o contrário mente! - que nós, mulheres, não ficamos indiferentes à opinião de outras, sobretudo se as respeitamos e admiramos. tenho uma amiga que diz que as mulheres se vestem para agradar às outras mulheres. ou, se não para agradar, pelo menos para impressionar. concordo parcialmente. tenho dias em que só me quero sentir bem na minha pele, outros em que, se merecer um ou outro elogio, o ego fica afagado. hoje foi um desses dias. coisas de mulheres, que só as mulheres entendem!

Sem comentários: