2016

2016

20 janeiro 2014

os animais não adoptáveis

eu não era assim, não era mesmo. e provavelmente antes, com a minha indiferença, era mais feliz. ou pelo menos não sofria tanto.
antes de adotar um gato, há quase três anos, não ligava nenhuma a animais. não lhes fazia mal, longe disso. só não lhes ligava. gatos então jamais, tinha aquela ideia pré-concebida de que são independentes, egoístas e incapazes de se afeiçoarem aos donos. gostava mais de cães e tinha aquela ideia idílica de um dia hei-de ter um, mas só se os meus filhos pedirem. como ainda não tenho filhos, a desculpa da falta de tempo para cuidar de um cachorro e a prisão que ele representa foi-me sempre servindo de desculpa. mas desculpa de quê, se na verdade ter ou não um animal é uma opção, não uma obrigação ou imposição social?
enfim. no dia em que uma pequena bola de pêlo felina com um mês e meio entrou lá em casa, tudo mudou. e inicialmente não foi para melhor. o nosso período de adaptação um ao outro foi complicado, pensei mesmo em dá-lo a alguém que cuidasse dele melhor do que eu. ou seja, que conseguisse demonstrar mais afeto e vontade de ter um gato a tomar literalmente conta da casa. depois o tempo foi passando, começámos a entender-nos e hoje não me imagino a viver sem ele, o gato mais meigo que alguma vez conheci e que passo os dias a mimar. 
foi ele que, sem saber, me foi moldando, amolecendo o coração. agora já não consigo ficar indiferente aos apelos de animais abatidos, aos animais abandonados e a todos aqueles que não tiveram a sorte de ter alguém que lhes dê amor e carinho. 
esta exposição tem por isso todo o mérito, por chamar a nossa atenção para todos os animais que de uma ou outra forma, por limitações várias, ficam privados de um dono e a sua salvação têm sido as associações que os recolhem, mas que muitas vezes não lhes podem dar todas as condições que uma família de acolhimento oferece. 
mais informações aqui.



imagens

3 comentários:

Conchita disse...

É isso mesmo!! Choca me cada vez mais a crueldade que tratam os animais ... Em casa dos meus pais sempre tivemos cães e gatos, mas os gatos... Os gatos são paixão... Ainda ontem tive a ver a página de FB da união zoófila e decidi que vamos contribuir com ração e uma mantas mais usadas que aqui temos. Pode não ser muito, mas alguma diferença há de fazer. E ainda estamos a considerar adoptar mais um gato pra fazer companhia ao pipoca. E já agora, também costumamos entregar no Algarve na clinica de uma amiga veterinária toalhas velhas ou mantas, são sempre necessárias, sobretudo quando os animais precisam de lá ficar ou quando chegam vítimas de acidente... ( desculpa este comentário tão extenso, Joana)

Enjoy the Ride disse...

não tens que pedir desculpa. quem gosta de animais, gosta muito. gosta sempre. tenho uma quase-veterinária em casa e sou cada vez mais sensível a esta realidade. também tentamos, sempre que possível, ajudar dessa forma, não com dinheiro mas com comida e produtos que possam precisar. quem me dera que todos os bichanos tivessem a sorte dos nossos.

Conchita disse...

Tens razão!