2016

2016

19 janeiro 2016

primeiro agir, depois refletir?

é curiosa a forma como as pessoas, genericamente, reagem de formas tão distintas a um mesmo acontecimento. quando somos crianças, aquilo que nos afeta provoca-nos uma reação imediata: choramos, gritamos, esperneamos, protestamos. mas, depois desse momento de drama, resolvemos a coisa em dois tempos e passamos à frente. quando crescemos, já adultos, e a nossa personalidade se ajusta, vamo-nos apercebendo de que os nossos tempos de reação se alteram e não há duas pessoas iguais. exemplifico: 

imagem


várias pessoas, numa mesma empresa, são confrontadas com uma série de alterações, que lhes são anunciadas ao mesmo tempo. independentemente de se ser mais ou menos otimista, de se ver o copo meio cheio ou meio vazio, há sempre conclusões a tirar. alguns, com um sentido mais prático, ponderam nas mudanças que objetivamente as suas vidas profissionais vão sofrer; outros, mais cautelosos, mais cépticos, processam a informação mais lentamente, eventualmente questionando o porquê de tais mudanças, o momento em que acontecem e a forma como o processo é conduzido, com maior ou menor honestidade e clareza; outros ainda, sem aparentemente perderem muito tempo a pensar no assunto, acabam por se deixar abater quando a ficha lhes cai. 
todos - todos mesmo - sentimos aquilo que nos acontece; não há como passar por cima das coisas, sem que elas nos atinjam. a maneira como isso se processa é que é muitas vezes inesperada, mesmo para nós próprios. uma notícia ou uma mudança que aparentemente não nos diz respeito, pode ficar a marinar nas nossas cabeças, escondida num canto, e vai manifestar-se mais tarde. de que forma? não sabemos. 
viver com a mudança é, para mim, relativamente fácil. adapto-me com facilidade a diversos cenários (alguns bastante duros), sou, por norma, a pessoa facilitadora e descomplicada, com um sentido prático muito apurado, que resolve tudo no imediato. e só mais tarde, quando a poeira assenta, me dou conta do furacão que acabou de passar e que estragos deixou. primeiro resolvo, depois penso. 
pelo contrário, não lido bem com os estilhaços que ficam pelo caminho, com as questões que, consciente ou inconscientemente, acabam por surgir, obrigando-me a questionar e a perceber que o mundo é muito mais complexo do que parece e algumas pessoas infinitamente mais surpreendentes (pela negativa) do que aquilo que (já) esperamos delas. enfim, mais uma série de dias com tanto para aprender e muito pouco, daquilo que realmente importa, para reter.

Sem comentários: